No começo deste mês, a Microsoft comentou que traria um novo formato de boot para o Windows 8, no qual impediria qualquer sistema operacional, não assinado pela própria empresa, de iniciar no sistema. Algumas distribuições de Linux já se manifestaram e desta vez o Ubuntu é quem entra na jogada.

A nova forma de início do sistema operacional foi chamada de Secure Boot e permite que apenas sistemas operacionais assinados pela Microsoft possam iniciar com o PC, como o Linux. Este Secure Boot custa US$ 99 – aproximadamente R$ 204 – e exige a criação de uma chave por ambas as partes, ou seja, da Microsoft e da distribuição do Linux. Até hoje, o Fedora e o Red Hat Enterprise confirmaram participação neste formato de boot e, desta vez, o famoso Ubuntu, da Canonical, comentou sua inserção deste novo método.

Segundo Mark Shuttleworth, criador do Ubuntu e da empresa Canonical, sua distribuição do Linux está trabalhando em uma ferramenta similar ao que a Microsoft obriga para permitir o dual-boot no computador. Desta forma, todo o ecossistema gratuito que foi criado ao redor do Linux não estará à mercê da boa vontade da Microsoft para permitir, ou não, sua instalação.

O membro da Canonical Steve Langasek disse que o Ubuntu liberou algumas informações sobre o driver UEFI, o responsável pela leitura da chave de instalação que o Windows 8 exigirá, e criou uma chave própria para esta distribuição do Linux. A chave estará disponível na imagem que instala o Ubuntu em todos os computadores.

A atitude pode não agradar a Microsoft, mas agradará a todos que ficaram com receio de perder a possibilidade de instalar livremente um sistema operacional de sua própria escolha. Algo que vem acontecendo até em lojas que vendem PCs prontos, como justificativa para baixar o preço da venda da máquina.

Fonte: TechTudo

Anúncios